Excesso de gases e a distensão abdominal, como diminuir o desconforto?

Excesso de gases e a distensão abdominal são sintomas muito frequentes no consultório de um coloproctologista.

Vamos tentar entender por quais motivos eles aparecem e algumas formas de diminuir o desconforto que eles causam.

A produção de gases ocorre por fenômenos naturais do nosso organismo ou por simples atividades do dia a dia, mas seu excesso pode representar algum problema na saúde e deve ser investigado.

Os gases podem ser deglutidos ao falar, durante as refeições, ao consumir bebidas gasosas, ao mascar chicletes, ao fumar e geralmente são eliminados na forma de eructação (arroto).

Já no intestino grosso, os gases são produzidos pelas bactérias da flora natural (microbiota).

Eles ocorrem pela fermentação dos resíduos alimentares para a formação de substâncias importantes para nosso organismo.

Porém, quando existe um desiquilíbrio dessas bactérias “boas” do intestino, pode haver proliferação de bactérias que irão produzir gases em excesso trazendo um desconforto intenso.

execesso-de-gases

Alguns fatores que podem aumentar a produção de gases pelo intestino:

Alimentos fermentativos:

Apesar de sempre indicarmos dietas ricas em fibras para o bom funcionamento intestinal, quando em excesso, elas podem elevar a produção de gases.

Isso também ocorre com alguns carboidratos naturais, adoçantes e alimentos industrializados.

O ideal seria retirar esses alimentos da dieta e aumentar o consumo de fibras gradativamente.

Medicamentos:

O uso de antibióticos para o tratamento de outras doenças podem gerar um desiquilíbrio da flora intestinal natural levando a produção excessiva de gases, diarreias e mudanças na consistência e odor das fezes.

Alguns pacientes podem melhorar com uso de probióticos associados.

Intolerâncias alimentares:

As mais conhecidas são as intolerâncias à lactose (leites e derivados) e ao glúten (derivados do trigo, cevada, centeio).

Eles alteram a permeabilidade intestinal produzindo sintomas de distensão abdominal.

excesso de gases e a distensão abdominal

Baixa mobilidade intestinal:

A diminuição do funcionamento dos movimentos do intestino pode ocorrer por doenças como diabetes e hipotireoidismo, com o uso de algumas medicações e nos constipados funcionais.

O bolo fecal fica em contato com o intestino por mais tempo levando a produção de gases em excesso.

Alterações emocionais:

Atualmente sabemos que nosso intestino tem ligação direta com nosso cérebro e com a produção de serotonina.

Inflamações e infecções intestinais:

Devem ser sempre descartadas.
Se você sofre muito com excesso de gases procure ajuda de um coloproctologista.

Segue algumas dicas que podem ajudar:

  • Tenha consciência dos seus sintomas e pontue quais são os fatores que funcionam como gatilho para o início deles.
  • Se você não tem o costume de consumir fibras aumente a quantidade progressivamente em sua dieta, o aumento súbito pode não te fazer bem.
  • Diminua o consumo de produtos industrializados, ricos em açúcares, adoçantes artificiais, agrotóxicos, sal, café e bebidas alcoólicas. Faça uma dieta com alimentos naturais e procure aqueles com baixo teor de carboidratos fermentativos (LOW FODMAPS).

Alimentos ricos em FODMAPS devem ser evitados por um período:

  • Frutas: maçã, abacate, cereja, manga, pêssego, pera, melancia, nectarina, sucos de frutas e frutas desidratadas;
  • Leguminosas e hortaliças: cebola, alho, repolho, brócolis, couve-de-Bruxelas, aspargo, alcachofra, cogumelos, couve-flor, beterraba, quiabo, ervilha, grão de bico, feijão e lentilha.
  • Laticínios: leite de vaca, cabra ou ovelha; sorvete, iogurte (mesmo desnatados), iogurte grego, queijos moles (como cottage, cream cheese e ricota);
  • Cereais e massas: pães, bolos, biscoitos ou cerais contendo trigo e centeio.
  • Outros: álcoois de açúcar (qualquer adoçante que termina em -ol: xilitol, sorbitol, maltitol, eritritol), mel, agave e xarope de milho.
alimentos-foodmaps-gases-intestino

Encontre gatilhos não alimentares

Melhore a qualidade de vida e encontre os gatilhos não alimentares: regule o sono, crie rotinas para os hábitos intestinais, pratique atividades físicas, reduza o estresse com meditações e terapias, pratique a autocompaixão.

Evite uso de antibióticos desnecessariamente.

Muitas vezes uma equipe multiprofissional pode te ajudar: médicos, psicólogos, educadores físicos e nutricionistas.

O uso de medicações que rompem as bolhas de gases como a simeticona (Luftal) ajudam muito na redução dos sintomas mas deve ser usado com atenção nos pacientes com hipotireoidismo que fazem uso da levotiroxina.

Lembrar que não podemos apenas tratar os sintomas se não sabemos a causa do problema.

 

Conheça nosso Instagram e compartilhe conhecimento!

Dra Marcella Sousa
CRM -SP 148489
RQE: 75075

Compartilhe conhecimento! S2

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
dra-marcella-coloproctologista-sp

Dra. Marcella Sousa
CRM-SP 148489

É coloproctologista e cirurgiã pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Possui título de especialista pela associação médica brasileira e pela sociedade brasileira de coloproctologia. Atua em São Paulo desde 2015 auxiliando pacientes da rede privada e do SUS nas diversas áreas da especialidade. Tem como objetivo em seus atendimentos, além da ciência e atualização, proporcionar um ambiente com muita tranquilidade, confiança e empatia durante as consultas.

Marcella Guilherme Carolino de Sousa - Doctoralia.com.br
Post Recentes
Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Olá 👋
Como podemos te ajudar?