Hemorroidas e seus principais tratamentos invasivos

Hemorroidas são vasos na região do ânus que podem dilatar e sair da sua posição original trazendo sintomas diversos como: dor, sangramento, nodulação, sensação de peso, coceira, etc.

Os principais motivos para o aparecimento da doença hemorroidária são: constipação, gravidez, obesidade, alimentação, predisposição genética /hereditária e estilo de vida.

tratamento-hemorroida

As hemorroidas podem ser externas, localizadas na borda do ânus e diagnosticadas com o exame físico, ou internas que são geralmente diagnosticadas com o exame da anuscopia.

Elas podem ser classificadas de acordo com os sintomas do paciente em:

  • Grau I- sangramento sem exteriorização;
  • Grau II- sangramento com exteriorização aos esforços porém com retorno espontâneo;
  • Grau III- sangramento com exteriorização aos esforços porém com necessidade de redução manual pelo paciente;
  • Grau VI- completamente exteriorizada sem possibilidade de redução manual;
grau-da-hemorroida

Tratamento da hemorroida

A maioria das hemorroidas possuem boa resposta ao tratamento clínico com medicações para dor e para circulação sanguínea, pomadas específicas para o problema e mudanças comportamentais.

Ter um bom funcionamento intestinal ingerindo mais água e fibras, evitar o uso do papel higiênico, evitar de pegar muito peso, evitar o esforço intenso para evacuar e evitar alguns alimentos irritativos para a mucosa do intestino são medidas altamente eficazes.

Condimentos, excesso de cafeína, chocolate e bebida alcoólica não desenvolvem a doença mas pioram os sintomas de quem já possui hemorroidas.

Trombose hemorroidária

A trombose hemorroidária ocorre quando o sangue coagula dentro do vaso da hemorroida deixando ela endurecida e de coloração escura.

Acontecem principalmente nas hemorroidas externas e o paciente apresenta dor intensa que deve ser tratada com urgência.

Antigamente todos os pacientes eram submetidos a procedimentos invasivos de trombectomia ou cirurgia de hemorroidectomia.

Atualmente a preferência é pelo tratamento clínico com analgésicos, pomadas, venotônicos, banho de assentos, principalmente após 48 horas do início dos sintomas.

Geralmente a resolução da dor e do inchaço é completa e não é necessário submeter o paciente aos riscos e possíveis complicações de uma cirurgia.

Tratamentos invasivos:

Os tratamentos invasivos são indicados quando os pacientes não apresentam melhora dos sintomas com as mudanças comportamentais e uso dos medicamento (independente do grau) e quando, ao diagnóstico, já possuem hemorroidas grau 4.

Atualmente temos diversas técnicas para tratamento invasivo da hemorroida e os principais são:

Principais tratamentos para hemorroida

Hemorroidas e seus principais tratamentos

Ligadura elástica:

É considerada um método minimamente invasivo (feito no próprio consultório) que induz a isquemia, fibrose e fixação das hemorroidas internas.

Durante o procedimento um elástico é introduzido no ânus através de uma pinça e é liberado na base da hemorroida.

Apresenta como vantagens: menor dor, simplicidade de execução (realização ambulatorial sem necessidade de anestesia) e é considerado um método eficaz, principalmente nas hemorroidas grau II apresentando 70% de resposta.

Tem como desvantagens: tenesmo (sensação de peso no reto e vontade de evacuar), sangramento anal, fissura anal, abcessos, retenção urinária.

Diversas sessões podem ser necessárias para resolução do problema.

Com o intuito de diminuir o desconforto do paciente é recomendado que o procedimento seja feito de preferência a cada 15 dias e em 1 ou 2 mamilos hemorroidários por vez.

Esse tratamento não serve para hemorroidas externas.

Cirurgia tradicional aberta:

Consiste na retirada da hemorroida com um corte que se estende da borda no ânus até uns 3- 4 cm em direção ao reto onde é feita a ligadura da base do vaso hemorroidário com um fio cirúrgico absorvível (não precisa ser retirado no pós operatório).
(técnica de Milligan Morgan)

É indicada principalmente nos pacientes com hemorroidas grau 3 e 4 ou que possuem componentes externos volumosos (plicomas residuais/ excesso de pele).

A musculatura esfincteriana é sempre preservada evitando a complicação da incontinência.

No pós operatório a ferida fica aberta e a cicatrização ocorre por segunda intenção (de dentro para fora).

O principal problema é a dor mas ainda é considerada a técnica com melhores resultados a longo prazo.

Em média a dor mais intensa melhora entre 7 a 10 dias, porém outros sintomas como sangramento, ardência, coceira, saída de secreção podem permanecer até o fechamento total da ferida (em média 1 a 3 meses).

A mesma cirurgia pode ter a ferida fechada (técnica de Ferguson) não havendo grandes diferenças nos resultados finais e nas complicações.

Hemorroidopexia com grampeamento:

(PPH ou EEA) – cirurgia considerada menos dolorosa por não haver cortes.

É realizada com a introdução de um grampeador na região anal que irá retirar o excesso de mucosa fixando as hemorroidas na suas posições originais.

O grampo é de material cirúrgico que caem ou são embutidos pela mucosa com o passar do tempo.

Apesar de mais indolor, pela ausência de cortes, esta técnica também apresenta riscos como: intenso tenesmo (sensação de peso no reto e vontade de evacuar), sangramentos intra e pós operatório, retenção urinaria, abscessos, estenoses e é contra indicada para pacientes que realizam sexo anal.

Os sintomas pós operatórios costumam passar mais rápido permitindo o retorno precoce do paciente as suas atividades.

Geralmente não possui benefício em pacientes com grandes componentes externos associados.

Entenda o processo assistindo o vídeo abaixo:

Desarterialização da hemorroida (THD/ Endopex)

Consiste na identificação de todos os vasos hemorroidários por um ultrassom doppler e a realização de suas ligaduras e fixações com pontos contínuos e absorvíveis.

Como também não existe corte, a recuperação do paciente costuma ser mais rápida que a técnica tradicional.

É importante lembrar que nenhuma técnica é livre de riscos e geralmente os pacientes apresentam sintomas de tenesmo dependendo da quantidade de hemorroidas presentes.

Mas e agora qual técnica escolher?

É muito importante você se lembrar que nenhuma técnica será totalmente livre de sintomas, que atualmente temos bons remédios que ajudam a aliviar a recuperação e que seu médico saberá oferecer a melhor técnica para seu caso buscando sempre melhores resultados de acordo com a suas expectativas e queixas.

Conheça nosso Instagram

Compartilhe conhecimento! S2

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
dra-marcella-coloproctologista-sp

Dra. Marcella Sousa
CRM-SP 148489

É coloproctologista e cirurgiã pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Possui título de especialista pela associação médica brasileira e pela sociedade brasileira de coloproctologia. Atua em São Paulo desde 2015 auxiliando pacientes da rede privada e do SUS nas diversas áreas da especialidade. Tem como objetivo em seus atendimentos, além da ciência e atualização, proporcionar um ambiente com muita tranquilidade, confiança e empatia durante as consultas.

Marcella Guilherme Carolino de Sousa - Doctoralia.com.br
Post Recentes
Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Olá 👋
Como podemos te ajudar?